O método atual para a cirurgia de substituição óssea - pegar um enxerto de outro lugar e transplantá-lo - pode se tornar uma coisa do passado se a nova tecnologia impressa em 3D puder chegar ao mercado.
A pesquisa do campus de Okanagan, na University of British Columbia, demonstrou o uso de impressão óssea específica do paciente. "Neste momento, os médicos usam osso de outro local do corpo, que precisa de uma segunda cirurgia e com isso vem o risco de infecção", explicou o estudante de engenharia Hossein Montazerian ao Metro News. "Por impressão 3D, vamos projetar uma nova tecnologia, uma nova abordagem em que o médico tira as imagens do osso danificado e, em seguida, o médico projeta o osso que é necessário para o paciente específico."
A impressão óssea tridimensional envolve o uso de uma textura que imita a estrutura natural do osso; é poroso o suficiente para as células ósseas crescerem, criando um osso híbrido no corpo que é parte artificial e parte natural, de acordo com Montazerian. Se implementada, a solução do aluno pode ajudar pessoas que sofrem de uma variedade de problemas de saúde, incluindo câncer ósseo e osteoporose.
Montazerian acredita que os ossos impressos em 3D podem se tornar uma realidade da área de saúde dentro de meia década. Por enquanto, ele está refinando seu processo e testando outros materiais em potencial.
Sua pesquisa foi publicada na edição de julho do publicado em Science Direct’s Materials and Design.